#SCRUM – Qual é estrutura básica para uma lista de atividades (backlog) num projeto ágil?

Out 9, 19 • HomeNo Comments

Se você trabalha com produtos, sobretudo produtos digitais, se trabalha com a construção deles, não há muito como fugir da necessidade de organizar uma lista de atividades e priorizá-las de acordo com critérios de retorno, valor e tempo de execução. Essa lista é seu backlog!

Uma escola que lida muito bem com isso é o scrum. Muito falado e infelizmente pouco praticado, o método vai completar 20 anos de sucesso! Mas nem tudo são flores, sobretudo no Brasil. Já vi muitas empresas tendo dificuldades de entender o que é metodologia ágil e como aplicar alguns conceitos na prática.

Fiz esse desenho para ajudar times e colegas de trabalho na compreensão do backlog. O backlog é um artefato no scrum e ele é estruturado assim:

1. No topo vem os ÉPICOS (epics). Épicos, em linhas gerais, são “grandes histórias” que:

• Não cabem em uma iteração (sprint) pois são grandes demais

• Não cabem em apenas uma história (issue) pois são grandes demais

• Não cabem em uma estimativa de realização (story points) pequena

• Épicos devem ter uma perspectiva de começo, meio e fim. Eles não são simples tags de categorização de atividades, são objetivos a serem alcançados.

Exemplos de ÉPICOS:

• Um módulo de relatórios para os clientes

• Um módulo de “Perfil do Usuário”

• Um cadastro

• Um novo layout do sistema ou aplicativo inteiro

2. Dentro dos ÉPICOS estão as HISTÓRIAS (issues). As histórias são como moléculas na biologia, elas são a menor parte de valor de determinado produto. Uma história tem começo, meio e fim em si mesma, mas pode depender da realização de outras histórias para ser realizada. As HISTÓRIAS pode ser sobre:

• Novas funcionalidades

• Débitos Técnicos ou

• Bugs

Exemplos de HISTÓRIAS:

• Mudar o cabeçalho do site X

• Adicionar pagamento com cartão de crédito no aplicativo X

• Alterar coluna Y do relatório X

• Carrinho de compras quebrado

3. Por fim, dentro das histórias, teremos as TAREFAS (tasks). Elas representam pequenas atividades necessárias para realização de uma determinada história. Em geral uma tarefa é feita por uma ou duas pessoas e não necessariamente entrega valor por si, mas a junção de uma ou mais tarefas de uma história entrega o valor da história. Vamos pegar uma história de exemplo e ver quais são as tarefas que compõem.

• HISTÓRIA: Adicionar pagamento com cartão de crédito no aplicativo X

• TAREFA 1: Criar API para receber dados do cartão do cliente

• TAREFA 2: Criar método de checagem de crédito junto aos operadores (bandeiras) de cartão de crédito

• TAREFA 3: Criar tela de inserção de dados do cartão

• TAREFA 4: Plugar envio de dados do cartão com método de checagem

• TAREFA 5: Testar funcionalidade em ambiente de homologação

O desenho acima mostra visualmente essa estrutura. É claro que as composições aqui são um pouco subjetivas. A intenção é prover um guia e não um conjunto de leis imutáveis. Se tiver alguma dúvida, experiência ou comentário sobre a aplicação do scrum com foco na estruturação de backlog, fique a vontade para comentar.

Tags: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Felipe Cabral

↓ More ↓